Teatro

Programação de teatros para os dias 06 a 12 de outubro

Por: Isabella Grossi - Atualizado em

Fernando Barbosa e Silva
(Foto: Redação VejaBH)

Pauline Braga e Marco Túlio Zerlotini: no palco em Dois Sóis: Lugar Algum, drama de estreia da Cia. do Silêncio

ESTREIAS A VOLTA AO MUNDO EM 80 VOZES. O cantor, sonoplasta e contador de histórias marroquino Khalid K apresenta sua performance musical construída com sonoridades de várias partes do globo. No palco, ele encarna todo tipo de personagens e animais, para contar, com o corpo e as melodias, histórias universais. Sem pronunciar uma palavra, o artista conduz a plateia para o encontro de diferentes culturas e línguas (70min). 5 anos. Espaço Multiuso — Sesc Palladium (100 lugares). Avenida Augusto de Lima, 420, Centro, ☎ 3214-5355. → Terça (9), 20h. Bilheteria: 9h/21h (ter. a dom.). Os ingressos serão trocados por uma lata de leite em pó durante todo o dia da apresentação.

REESTREIAS CASAR OU COMPRAR UMA BICICLETA, de Alexandre Canela. Os protagonistas da comédia, Alberto e Goreth, formam um casal que passa por diversos conflitos, causados, principalmente, pelo fato de ele não gostar de trabalhar. Decepcionada, a mulher resolve deixá-lo, mas a chegada de um anjo promete mudar o rumo da vida dos dois. Direção de Paulo Vieira Neto (65min). Livre. Estreou em 15/10/2011. Teatro AMI (120 lugares). Rua da Bahia, 1450, Lourdes, ☎ 3224-5890. Sábado, 20h; domingo, 19h. R$ 30,00 / Postos Sinparc, R$ 14,00. A bilheteria abre uma hora antes do espetáculo. Até este domingo (7). Restreia prevista para este sábado (6).

COMO A GENTE GOSTA, de Eduardo Moreira. Baseada na obra As You Like It, de William Shakespeare, a comédia musical reflete sobre o amor e suas inúmeras manifestações, levando para o lado adulto a atuação do Grupo Maria Cotia, conhecido pelas peças infantis. Em cena, Hugo Araújo, Leonardo Rocha, Marielle Brasil e Mariana Arruda vivenciam as loucura de um amor apaixonado, distinguindo os universos feminino e masculino. A trilha sonora é executada ao vivo sob a batuta de Hugo Araújo e Marco França. Direção do autor (60min). Livre. Estreou em 17/12/2011. Museu Histórico Abílio Barreto (400 pessoas). Avenida Prudente de Morais, 202, Cidade Jardim, ☎ 3277-8668. Neste domingo (7), 11h30. Grátis.

A ETERNA LUTA ENTRE O HOMEM E A MULHER, de Millôr Fernandes. A comédia adaptada pela companhia O Trem discute os conflitos entre o homem e a mulher desde a idade da pedra até os dias de hoje. O público é quem decide quem vencerá o embate, por meio de votação, no fim de cada round. Direção de Ílvio Amaral e Maurício Canguçu (75min). 12 anos. Estreou em 15/4/2011. Spetáculo Casa de Artes (150 lugares). Rua Pouso Alegre, 1568, Santa Tereza, ☎ 3481-1670. → Sexta e sábado, 21h; domingo, 19h. R$ 30,00 / Postos Sinparc, R$ 12,00. A bilheteria abre duas horas antes do espetáculo. Até dia 14. Reestreia prometida para sexta (12).

ODE MARÍTIMA, de Álvaro de Campos. Teatro físico. O poema merece um destaque na obra do heterônimo do escritor português Fernando Pessoa. Com versos ritmados em sons que reproduzem os ecos de uma máquina em movimento, a composição tornou-se um marco do período futurista. Quase 100 anos depois, ela continua impressionando e rendendo bons frutos. Dirigido por Juliana Pautilla, o grupo Teatro da Figura levou adiante o desejo antigo de interpretar as palavras com uma perspectiva corporal. Durante sessenta minutos, os seis atores lançam mão de recursos do teatro físico para contar a história de um homem que inicia uma viagem metafórica entre o mundo estático e o mirado, representado pelo mar. No palco, o figurino complementa essa ideia e se transforma em objeto cênico ao longo da apresentação. As músicas, tanto as gravadas quanto as executadas ao vivo, também dão suporte para a construção de uma atmosfera que remete à saudade, ao delírio e à busca interior. Além do poema, serviram de inspiração para a montagem a vida pessoal do poeta, alguns textos críticos e a arte de vanguarda, como o concretismo (60min). 16 anos. Estreou em 20/9/2012. Funarte MG (100 lugares). Rua Januária, 68, Floresta, ☎ 3213-3084. Segunda a quinta, 20h. R$ 12,00. A bilheteria abre uma hora antes do espetáculo. Cc: M e V. Cd: M e V. Até quinta (11).

EM CARTAZ O ANO EM QUE VIREI ADULTO, adaptação de Cida Falabella e Gustavo Falabella Rocha para a obra de John Fante. Com a mesma idade da Cia Clara, a Zona de Arte da Periferia — ZAP 18 completa uma década de atividade com a estreia do monólogo inspirado no livro 1933 Foi um Ano Ruim, do escritor americano John Fante. Gustavo Falabella Rocha é Dominic Molise, estudante de 17 anos, filho de um pedreiro e de uma dona de casa cujo sonho é se tornar o maior arremessador canhoto da história do beisebol. Como na obra de Fante, o ator expõe as fraquezas e misérias humanas, lançando mão, muitas vezes, de sua própria experiência para compor o personagem. Sob a direção de Cida Falabella, o espetáculo fica em cartaz de sexta (5) ao dia 14, na sede do ZAP 18, onde também funcionam cursos para formação de atores e oficinas de iniciação teatral para crianças e adolescentes, entre outras atividades. Direção de Cida Falabella (65min). Livre. Estreou em 5/10/12. ZAP 18 (80 lugares). Rua João Donada, 18, Serrano, ☎ 3475- 6131. Sexta e sábado, 20h30; domingo, 19h. R$ 10,00. A bilheteria abre uma hora antes. Até dia 14.

COISAS INVISÍVEIS, de Gustavo Naves Franco. Nove anos depois de estrear o drama sobre os mistérios das relações humanas, a Cia Clara de Teatro volta ao cartaz em comemoração a sua primeira década. Exceto pela substituição de parte do elenco, a apresentação é a mesma consagrada por público e crítica no Festival de Teatro de Curitiba, em 2004. Inclusive a banda, que executa, ao vivo, a trilha sonora composta especialmente para o enredo. No palco, os atores interpretam quatro personagens que passam por situações parecidas, entre encontros, separações e reencontros. O espetáculo é o segundo de uma trilogia composta de Todas as Belezas do Mundo (2002) e Cinema (2005). Direção de Anderson Aníbal (60min). 12 anos. Estreou em 10/7/2003. Teatro João Ceschiatti — Palácio das Artes (148 lugares). Avenida Afonso Pena, 1537, Centro, ☎ 3236-7400. → Sexta, 21h; sábado, 19h e 21h; domingo, 19h. R$ 20,00. Bilheteria: 10h/21h (seg. a sáb.); 14h/20h no domingo. Cc: M e V. Cd: M e V. IC. Até dia 14.

✪✪✪ DESCULPA QUALQUER COISA. A apresentação é comandada por Bruno Berg (Queijo, Comédia e Cachaça), João Basílio (Os Comédia), Bruno Costoli e Thiago Carmona (ambos da Liga da Comédia). Com temas provocativos, mas pouco ofensivos e escrachados, os humoristas envolvem a plateia numa onda de aplausos e gargalhadas. Para incrementar o formato stand-up, o quarteto simula uma mesa-redonda bem-humorada, em que são discutidas as principais notícias da semana. A ausência de Thiago Carmona não pareceu empobrecer o espetáculo, caprichado com a atuação de João Basílio (80min). 14 anos. Estreou em 5/9/2011. Pátio Espanhol (100 lugares). Avenida do Contorno, 4035, São Lucas, ☎ 3324-4035. Sexta, 21h30. R$ 15,00. Cc: M e V. Cd: M e V. Até 30 de novembro.

DOIS SÓIS: LUGAR ALGUM, de Marco Túlio Zerlotini. O drama de estreia da Cia. do Silêncio narra a história de dois irmãos que, após a morte da mãe, encontram em uma desconhecida a forma de manter sua vida minimamente organizada. A relação dos três, porém, desencadeia uma série de sentimentos desconhecidos que os deixam em dúvida sobre haver lugar no mundo para o que passam a sentir. Direção de Marcel Luiz (50min). 14 anos. Teatro Sesi Holcim (115 lugares). Rua Padre Marinho, 60, Santa Efigênia, ☎ 3241-7181. → Sexta e sábado, 21h; domingo, 19h. R$ 20,00. Bilheteria: todos os dias, das 13h às 19h, e no dia do espetáculo até a hora da apresentação. Até este domingo (7). Sala Júlio Mackenzie — Sesc Palladium (76 lugares). Avenida Augusto de Lima, 420, Centro, ☎ 3214-5355. → Sexta e sábado, 21h; domingo, 19h. R$ 20,00. Bilheteria: terça a domingo, das 9h às 21h. Cc: M e V. Cd: M e V. Até 21 de outubro.

OS HOMENS QUEREM CASAR E AS MULHERES QUEREM SEXO, de Carlos Simões. Jonas, interpretado por Marcelo Ricco, não vê a hora de se casar. Explorando a inversão de papéis, o autor da comédia traz à tona o lado feminino do personagem na busca pela mulher perfeita, brincando, por exemplo, com a assiduidade em casamentos e a briga na hora de pegar o buquê. Direção de Carlos Nunes (70min). 14 anos. Estreou em 13/05/2010. Teatro Santo Agostinho (368 lugares). Rua Aimorés, 2679, Santo Agostinho, ☎ 2125-6810. → Sábado, 21h; domingo, 19h. R$ 40,00 / Postos Sinparc, R$ 15,00. Bilheteria: a partir das 16h (ter. a sex.); a partir de 15h (sáb. e dom.). Até este domingo (7).

OLÚRÓMBÍ — RESPEITO À NATUREZA, criação coletiva. Drama. O Grupo Teatral Apàló — A Bela Arte d'África lança mão de músicas e danças tradicionais da cultura afro-brasileira e africana para contar uma antiga lenda do povo iorubá. Direção de Ayòbámi Samuel Akínrúlí (50min). Livre. Estreou em 5/10/2012. Centro Cultural da UFMG (120 lugares). Avenida Santos Dummont, 174, Centro, ☎ 3409-8290. Neste sábado (6), 19h. Grátis. Retirada de ingressos uma hora antes do espetáculo.

✪✪ POR PARTE DE PAI, adaptação de Carlos Rocha para a obra de Bartolomeu Campos de Queirós. Inspirada na criação do escritor mineiro, morto no início deste ano, o espetáculo do Grupo Atrás do Pano conta o drama de Antônio, um garoto que vive sua infância na casa dos avós paternos, experimentando a vida como quem lê um livro de memórias. Cheiros, sensações, sonhos, medos e dúvidas fazem parte do seu cotidiano, cercado de questões filosóficas sobre o tempo, a existência, a vida e a morte. Juntos no palco, Antônia Claret, Guda Coelho, Myriam Nacif e Paulo Thielmann fazem uma leitura sensível da obra, o que não torna a montagem menos conservadora e, por vezes, cansativa no ritmo. Vale conferir a parede criada por Máximo Soalheiro para compor o cenário, com frases do livro, ilustrações e até o retrato original dos avós de Queirós, que emprestam sua vida à história. Direção de Epaminondas Reis (60min). 12 anos. Estreou em 27/6/2012. Teatro Marília (185 lugares). Avenida Alfredo Balena, 586, Centro, ☎ 3277- 6319. → Sexta e sábado, 20h30; domingo, 19h. R$ 20,00. A bilheteria abre duas horas antes do espetáculo. Até dia 14.

QUERIDO, VOU POSAR NUA, de Bruno Motta. A comédia põe em foco Ana Constante, uma atriz balzaquiana convidada para posar nua depois do inesperado sucesso de sua última personagem na novela. Entusiasmada com a oportunidade, ela terá de convencer seu noivo, um pacato contador, a apoiá-la na aventura. Direção de Cláudia Bento (75min). 12 anos. Estreou em 6/11/2009. Teatro da Assembleia (145 lugares). Rua Rodrigues Caldas, 30, Santo Agostinho, ☎ 2108-7826. → Sábado, 21h; domingo, 19h. R$ 30,00. A bilheteria abre uma hora antes do espetáculo. Até este domingo (7).

✪✪ TALISMÃ, de Didi Villela. Drama. O espaço alternativo, que ora abriga festas, ora se torna palco das artes cênicas, transmuta-se na casa de Joana e Francisco, mãe e filho que vivem enclausurados em um mundo próprio, pouquíssimo convencional. Ela se sente presa ao filho, às cartas que escrevera ou recebera em um passado remoto e à saudade de um homem. Ele se apega à mãe e à imagem feminina, renegando as convenções atribuídas ao seu próprio gênero. Tomado de forte carga dramática, o espetáculo da Cia. Noturnos convence mais pela beleza e poesia do arranjo cenográfico, com véus encobrindo luzes cuidadosamente posicionadas, papéis rasgados e um piano velho. Direção de Marcelo Rocco (60min). 16 anos. Estreou em 8/9/2012. Espaço Gruta! (50 lugares). Rua Pitangui, 3613 C, Horto, ☎ 2511-6770. Sexta e sábado, 20h; domingo, 19h. R$ 20,00. A bilheteria abre uma hora antes do espetáculo. Até dia 20.

TIM MAIA — VALE TUDO, O MUSICAL. Visto por mais de 180 000 pessoas desde a estreia no Rio de Janeiro, há pouco mais de um ano, o musical chega à cidade com quatro apresentações marcadas. Repetidamente elogiado por público e crítica pelo desembaraço na pele de Sebastião Rodrigues Maia, Tiago Abravanel — o neto de Silvio Santos — precisou se afastar dos palcos para dar início às gravações da novela Salve Jorge, da Globo. O ator e cantor Danilo de Moura entrou em seu lugar. Pouco conhecido no meio teatral, o paulistano fez por onde para ocupar a posição que pode definir o rumo de sua carreira. Além de exaustivos ensaios e preparação vocal, ele ganhou 25 quilos para reproduzir com fidelidade a imagem do ídolo da MPB, morto em 1998. O texto adaptado por Nelson Motta da biografia Vale Tudo — O Som e a Fúria de Tim Maia, de sua autoria, pincela as variações do compositor ao longo da sua carreira, no melhor estilo black music. Para compor a narrativa, o diretor João Fonseca optou por inserir blocos temáticos, concebidos por catorze cenários. Nada fica para trás. Nem mesmo a infância pobre no bairro carioca da Tijuca. Ou, ainda, os encontros com Roberto Carlos, Erasmo Carlos e Jorge Ben Jor, para citar alguns parceiros ilustres (180min, com intervalo de 15min). 14 anos. Estreou em 4/10/12. Grande Teatro do Sesc Palladium (1 321 lugares). Rua Rio de Janeiro, 1046, Centro, ☎ 3214-5355. → Sábado, 17h e 21h30; domingo, 19h. De R$ 120,00 a R$ 180,00. Bilheteria: 9h/21h (ter. a dom.). Cc: M e V. Cd: M e V. IC. Até este domingo (7).

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE