Teatro

Teatro e dança: programação para os dias 15 a 21 de dezembro

Por: Isabella Grossi - Atualizado em

Michel Rezende
(Foto: Redação VejaBH)

A atriz Sofia Del Prado: sábado (22) e domingo (23) no musical Simplesmente Natal

ESTREIA SIMPLESMENTE NATAL, criação coletiva. Atores, cantores, bailarinos e músicos sobem ao palco no musical criado pela DrammAto — Núcleo de Ópera e Teatro Musical em parceria com integrantes do Grupo Corpo. Inspirado nas grandes feiras natalinas alemãs, em filmes e contos mundialmente conhecidos e também em grandes produções da Broadway, o espetáculo narra a história de uma família com problemas na véspera do Natal. As cenas são embaladas por canções consagradas do repertório natalino, entre elas Jingle Bells e Adeste Fidelis. Músicas pop como All You Need Is Love, dos Beatles, também têm espaço garantido na trilha, executada ao vivo com instrumentos de sopro, teclas e cordas. Direção de Daniel Kostás (50min). Livre. Teatro Sesiminas (660 lugares). Rua Padre Marinho, 60, Santa Efigênia, ☎ 3241-7181. → Sábado (22) e domingo (23), 20h. R$ 40,00. Bilheteria: 13h/19h todos os dias. IR.

REESTREIAS OUTRO LADO, de Marcos Coletta e Assis Benevenuto. Inspirado no livro infantil O Outro Lado, de Istvan Banyai, e na ideia do Cubo de Rubik, mais conhecido como cubo mágico, o drama do grupo Quatroloscinco Teatro do Comum usa a tridimensionalidade para tratar de questões políticas e existenciais numa fábula central atravessada por cenas e fragmentos que rompem a narrativa linear. A história se concentra em um grupo de pessoas que compartilham um período de sua vida dentro de um pequeno espaço, com milhões de possibilidades de caminhos. Calcada nos conflitos entre o universo particular e o coletivo, a peça também discute os limites entre realidade e ficção e a relação entre memória e história. Direção coletiva (60min). 12 anos. Estreou em 27/10/2011. Galpão Cine Horto (200 lugares). Rua Pitangui, 3613, Horto, ☎ 3481-5580. Terça (18) e quarta (19), 20h. Grátis. Os ingressos serão distribuídos uma hora antes do espetáculo.

A PARTILHA, de Miguel Falabella. Considerada um dos pontos altos da carreira do autor e diretor, a comédia dramática estreou em 1990 e logo se transformou em um sucesso. Dos palcos chegou às telas, em 2001, na adaptação de Daniel Filho, com Glória Pires, Lilia Cabral, Andréa Beltrão e Paloma Duarte nos papéis principais. Mais de duas décadas depois, Susana Vieira, Arlete Salles, Patricya Travassos — no lugar de Natália do Valle — e Thereza Piffer tornam a entrar em cena para celebrar as mais de duas décadas da montagem, que circulou por todo o Brasil e por outros doze países. A trama recai sobre quatro irmãs de personalidades opostas que se reencontram após a morte da mãe para dividir os bens da família. A primogênita, Lúcia (Arlete), vive um grande amor em Paris, enquanto Selma (Patricya), a conservaora, é casada com um militar. Regina (Susana) é desencanada e otimista e Laura (Thereza), a caçula, séria e intelectual, surpreende ao anunciar a sua homossexualidade. No turbilhão de emoções, o quarteto passa a vida a limpo, trazendo à tona diferenças e sentimentos embalados por uma atmosfera bem-humorada e comovente. Atemporal, o espetáculo continua firme no propósito de iluminar o drama das relações humanas e, principalmente, familiares. (100min). 12 anos. Grande Teatro — Sesc Palladium (1 321 lugares). Rua Rio de Janeiro, 1046, Centro, ☎ 3214-5355. → Neste sábado (15), 18h30 e 21h30, e domingo (16), 19h. R$ 120,00 (plateia I), R$ 100,00 (plateia II) e R$ 80,00 (plateia III). Bilheteria: 9h/21h (ter. a dom.). Cc: M e V. Cd: M e V. IC.

EM CARTAZ CORDÉIS DO CAFUNDÓ, de Cascão. O cordelista, teatrólogo e mobilizador social deu vida ao espetáculo que tem como base a história da literatura de cordel e da poesia matuta. O monólogo traz treze declamações de autores populares e algumas de sua autoria. Nos entreatos, o público é brindado com manifestações artísticas como a dança da Nega Maluca, mamulengos e projeções audiovisuais. Tudo ao som do Trio dos Cafundó, que acompanha o trovador. Direção de Chico dos Bonecos (60min). 12 anos. Teatro da Assembleia (145 lugares). Rua Rodrigues Caldas, 30, Santo Agostinho, ☎ 2108-7826. → Neste sábado (15), 20h. R$ 15,00. A bilheteria abre uma hora antes do espetáculo.

✪✪✪ DESCULPA QUALQUER COISA. A apresentação é comandada por Bruno Berg (Queijo, Comédia e Cachaça), João Basílio (Os Comédia), Bruno Costoli e Thiago Carmona (ambos da Liga da Comédia). Com temas provocativos, mas pouco ofensivos e escrachados, os humoristas envolvem a plateia numa onda de aplausos e gargalhadas. Para incrementar o formato stand-up, o quarteto simula uma mesa-redonda bem-humorada, em que são discutidas as principais notícias da semana. A ausência de Thiago Carmona não pareceu empobrecer o espetáculo, caprichado com a atuação de João Basílio. O especial de fim de ano tem retrospectiva dos fatos que marcaram a imprensa nacional em 2012 (80min). 14 anos. Estreou em 5/9/2011. Teatro Sesi Holcim (115 lugares). Rua Padre Marinho, 60, Santa Efigênia, ☎ 3241-7181. → Neste sábado (15), 21h. R$ 40,00. Bilheteria: todos os dias, das 13h às 19h, e no dia do espetáculo até a hora da apresentação.

PEQUENOS ROMANCES, de Marcelino Freire. Pelos palcos do Teatro Universitário da UFMG, o famoso TU, transitaram figuras vitais para a consolidação do cenário cultural mineiro. Jota D'Angelo, Haydeé Bittencourt, Eid Ribeiro e Jonas Bloch foram algumas das muitas personalidades que deixaram a sua marca. Em seis décadas de história, completadas neste ano, o TU agregou experiência a experimentação e formou centenas de atores. A mais recente leva de formandos estreia o drama criado especialmente para o Projeto TU 60 Anos. O espetáculo é construído em microdramaturgias baseadas na obra do escritor pernambucano, vencedor do Prêmio Jabuti de Literatura com o livro Contos Negreiros (2005). As cenas dialogam com o universo dos excluídos social e emocionalmente, entre eles os pobres, os negros, os homossexuais, as prostitutas e os índios. Ao contrário da linguagem mais bruta usualmente encontrada no cinema, como em Tropa de Elite, por exemplo, o diretor preferiu explorar o lirismo, arquitetando cada imagem sem desgastá-la. Para a composição da trilha sonora, executada ao vivo, o raciocínio foi o mesmo. Há canções originais, com tambores, violão, atabaque e outros instrumentos de percussão. Direção de Tarcísio Ramos Homem (80min). 16 anos. Estreou em 5/12/12. Teatro Oi Futuro Klauss Vianna (329 lugares). Avenida Afonso Pena, 4001, Mangabeiras, ☎ 3223-6756. → Neste sábado (15), 20h, e domingo (16), 19h. Grátis. Os ingressos serão distribuídos uma hora antes do espetáculo.

PLAY ME, de Marina Viana e Rodrigo Campos. Dezesseis atores recém-formados pelo curso profissionalizante de teatro do Centro de Formação Artística da Fundação Clóvis Salgado (Cefar) levam aos palcos o drama, que narra a busca de identidade de Vic por meio de uma série de encontros em uma casa onde diversas pessoas testam a real personalidade do protagonista. Sua trajetória é determinada conforme as interações do espectador. O espetáculo faz uso de ferramentas do videogame, do teatro e do cinema. Direção de Rodrigo Campos (90min). 18 anos. Estreou em 7/12/2012. Teatro João Ceschiatti — Palácio das Artes (148 lugares). Avenida Afonso Pena, 1537, Centro, ☎ 3236-7400. → Neste sábado (15), 20h e 22h. Grátis. Os ingressos serão distribuídos uma hora antes do espetáculo.

ESPECIAL MOSTRA BENJAMIN DE OLIVEIRA. Considerado o primeiro palhaço negro do Brasil e criador do circo-teatro que hoje reproduzimos por aqui, Benjamin de Oliveira (1870-1954) empresta seu nome ao festival idealizado pela Cia. Burlantins, comandada pelo cantor e compositor Maurício Tizumba. O público pode conferir montagens teatrais, de dança e de circo com tema ou elenco predominantemente negro. Neste sábado (15) tem Zumbi, uma remontagem da peça de Augusto Boal e Gianfrancesco Guarnieri, com direção de João das Neves e direção musical de Titane. Com músicas de Edu Lobo, o clássico musical narra a história de luta e resistência dos quilombolas de Palmares. Funarte MG (100 lugares). Rua Januária, 68, Floresta, ☎ 3213-3084. R$ 10,00. A bilheteria abre uma hora antes. Cc: M e V. Cd: M e V. Até março, em dias e horários variados. Confira a programação completa em www.burlantins.com.br/benjamin.

DANÇA CEFAR. Os alunos do Centro de Formação Artística da Fundação Clóvis Salgado (Cefar) apresentam Poesia de Cordel, inspirado no universo da literatura de cordel, gênero literário popular no Nordeste geralmente escrito na forma rimada. Incrementado com intervenções da acordeonista Sarah Assis, o espetáculo tem direção coreográfica do Coletivo Movasse e da bailarina, professora de dança e produtora Cibele Maia (90min). Livre. Grande Teatro — Palácio das Artes (1 705 lugares). Avenida Afonso Pena, 1537, Centro, ☎ 3236-7400. → Segunda (17) e terça (18), 20h30. R$ 10,00. Bilheteria: 10h/21h (seg. a sáb); 14h/20h no domingo. Cc: M e V. Cd: M e V. IC.

DANÇA CONTEMPORÂNEA EXPERIMENTAL. Rosa dos Ventos é o resultado da oficina realizada no Centro Cultural da UFMG. O espetáculo busca a poética do movimento, propondo uma reflexão sobre as relações do corpo com os espaços externos e internos. Direção de Fernando Audmouc (60min). Livre. Centro Cultural da UFMG (120 lugares). Avenida Santos Dummont, 174, Centro, ☎ 3409-8290. Quarta (19), 20h. Grátis.

3ª MOSTRA DE DANÇA. Alunos e professores do Pátio Espanhol encerram o semestre levando ao palco uma série de coreografias flamencas. Com figurinos típicos, os bailarinos envolvem a plateia nos dois principais sentimentos da dança: a alegria e a tristeza. Direção de Elisa Soares (90min). Livre. Pátio Espanhol (100 lugares). Avenida do Contorno, 4035, São Lucas, ☎ 3324-4035. → Neste sábado (15), 21h30, e domingo (16), 19h30. R$ 60,00 a mesa com quatro lugares. Cc: M e V. Cd: M e V.Cotações | Péssimo ← | Fraco ✪ | Regular ✪✪ | Bom ✪✪✪ | Muito bom ✪✪✪✪ | Excelente ✪✪✪✪✪

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE